Se também pensavas (ou pensas) “eu respiro desde que nasci, pratico respiração todos os dias”, não estás sozinho! Mas a verdade é que na grande maioria do tempo a nossa respiração é totalmente inconsciente - ela acontece, naturalmente, sem pensarmos nela ou procurarmos voluntariamente interferir nesse processo. Essa respiração é fundamental para nos manter vivos, claro, mas quando falamos de verdadeiras práticas de breathwork, falamos de controlo intencional da respiração.

Muitas pessoas têm o seu primeiro contacto com práticas de respiração consciente através do Yoga ou da Meditação e, actualmente, o breathwork está a ganhar o seu próprio espaço, com cada vez mais adeptos de práticas completas de respiração para aumentarem o seu bem-estar geral.


Respiração & Emoções

Por esta altura, qualquer participante do nosso curso online de 5 semanas RESPIRA! © já percebeu (e sentiu, por experiência própria) que o trabalho de breathwork pode ir bem além dos benefícios para a saúde física.
Quem pratica Breathwork - e as suas numerosas técnicas - começa a aprender que a quantidade de ar que trazemos para o corpo está proporcionalmente relacionada à quantidade de bem-estar que podemos sentir na nossa vida.

À medida que abrimos e expandimos a nossa respiração, não só criamos mais energia vital, como também abrimos a nossa capacidade de receber e experimentar mais emoções positivas. Na medida em que a respiração está aberta e a fluir surfamos, também nós, o fluxo da vida.
Quer isto dizer que a prática de breathwork são sempre prazerosas? Não, de todo. Como muitas das coisas que nos fazem bem (o Yoga é um bom exemplo disso) ela pode estar repleta de desconforto. Este é, muitas vezes, físico (formigueiros, tensão muscular) mas também emocional. Aliás, em última instância, muito desse desconforto físico encerra em si emoções estagnadas, que por alguma razão não fluíram naturalmente e ficaram reprimidas, criando uma tensão no corpo.

É, hoje em dia, bem aceite que a estagnação emocional de longo prazo pode levar a desordens físicas e emocionais. Quando nos tornamos “respiradores conscientes", temos a oportunidade de assumir o controlo das nossas vidas, oxigenando completamente o nosso sistema e participando activamente neste processo de transformação e libertação emocional.
Ou seja, as práticas de respiração (muitas vezes associadas também a som e/ou movimento) são um veículo por excelência de transformação e libertação de emoções que possam estar reprimidas: raiva, tristeza, mágoa, frustração…

Ao permitirmos a renovação e o desbloqueio destas emoções, criamos espaço para receber mais vitalidade, energia, alegria, motivação, tranquilidade, paz… criamos espaço para, conscientemente, abrirmos os braços a tudo aquilo que queremos manifestar na nossa vida.
Expiramos, libertamos. Inspiramos, abraçamos. As nossas emoções são feitas desta natureza fluída, tal como a nossa respiração.
Então, respira as tuas emoções, permite-te deixar ir… e abraçar toda a beleza, a magia e o enorme potencial que já és.